26.7.08

- terceira parte do poema "Amado" -

- terceira parte do poema "Amado" -
III (o enfim!)


Tem FORÇA a vida.
Na intimidade que
,
azeda
,
é bebida
bucólica.
E sabemos apenas quando ingerida
.
E no comprimir
das sobrancelhas.
Na face acometida pelo impacto
da surpresa
que é a vida.

É próximo
,
íntimo
,
dos homens
aquele que sabe a morte dos ontens.
Sabe a FORCA
.
A harmonia
A fibra
A vitalidade

A Arte.
Somente a forca usada mata.
Mas reanima, no limite da vida.
Quando toda força é anemia ressucitada.

Ela nos entrevia ainda pequenos,
a Força,
e contaminava com suas loucuras,
de vida,
nossos primeiros
dias.

IV

Dá-nos o TEMPO para ter paciência,
se precisos e inexatos.
Começos,
descompasso à descompasso
.

Dá-nos inexperiência
à cada vez que sentimos viver errado.
Para que sejamos desamados
se divinos
.

Dê-nos atos
falhos ou não.
E mistérios porque quero
morrer inquérito,
pequeno e seguro da minha interrogativa.

A renúncia da morte
.
O sexo sem sexualidade.
A pronúncia
das declarações
da fome
de abraços.
Da fome
de homens
em serenatas.

Homens libertos
dos relógios de prata
que marcam o tempo e desmarcam as nossas páginas.

Homens da prata libertos.
E relógio libertos do tempo,
folheando as nossas páginas.

Sendo todas elas,
sendo todas as nossas multidões
e idades
.

Movidos sob eternidade.

Com pontuação sendo alguns dos nossos versos.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir